Historiadora Patrícia Vigilato toma posse na Academia de Letras

O presidente da Alca, José Antônio Justino Ribeiro, entrega o Diploma de Acadêmica para a mais nova confreira.

A professora e historiadora Patrícia Aparecida Vigilato tomou posse de uma das cadeiras da Alca – Academia de Letras, Ciências e Artes de Santa Rita do Sapucaí. No último dia 18 de março ela recebeu o Diploma de Acadêmica e a insígnia da entidade das mãos do presidente da Alca – acadêmico José Antônio Justino Ribeiro. Por conta da pandemia, não foi possível realizar uma cerimônia, como é de praxe, onde o novo acadêmico presta juramento e faz um discurso em homenagem ao patrono de sua cadeira. A entrega foi feita na residência da professora. A sessão solene com a cerimônia, no entanto, será realizada tão logo a pandemia dissipe.

Patrícia Vigilato foi indicada pelo acadêmico Evandro Carvalho e teve seu nome analisado pelo crivo da assembleia da Alca em sessão ordinária do dia 29 de fevereiro de 2020, pouco antes da pandemia. Seu extenso currículo, suas qualidades como pesquisadora e docente e um profícuo trabalho na comunidade pesaram na sua escolha. Foi eleita por unanimidade para ocupar a cadeira n.o 16, cujo patrono é Rodolfo Guerino Adami. A cadeira estava vaga desde outubro de 2018, por ocasião do falecimento da acadêmica Jandyra Adami Neves de Carvalho.

A nova acadêmica é formada em história e é professora da Escola Estadual Sanico Telles. Durante anos atuou no Inatel – Instituto Nacional de Telecomunicações, mais especificamente no Centro de Memória da instituição e no Inatel Cultural. Catalogou e cuidou do acervo de documentos, livros e jornais antigos do Centro. Também se notabilizou atuando na curadoria de muitas exposições realizadas no Instituto.

Resgate da memória

O presidente da Alca, José Antônio Justino Ribeiro, parabeniza a mais nova acadêmica e comenta o trabalho de Patrícia, importante para o resgate da memória de Santa Rita e da região.

“Com muita satisfação, a partir deste ano a Alca passa a contar com a professora Patrícia Vigilato como a mais nova integrante em seu quadro de membros efetivos. Patrícia Vigilato tem longa atuação nos campos do ensino, da cultura e das artes. É conhecida professora de história e durante muitos anos responsabilizou-se pelo Centro de Memória do Inatel. Em suas atividades profissionais, empregou toda sua competência em resgates históricos de grandes acontecimentos da cidade e da região. Trabalhou intensamente na organização de muitas exposições nas áreas da cultura, da tecnologia e das artes. A direção e os demais membros da Alca dão os parabéns e as boas-vindas à professora Patrícia, com a certeza de sua permanente e efetiva contribuição no enriquecimento dos debates e nas demais ações de nossa Academia”.

Mulher negra

A acadêmica Patrícia Vigilato agradece os acadêmicos que a elegeram, fala do patrono de sua cadeira e da acadêmica Jandyra Adami e lembra que é a primeira mulher negra eleita para a Alca.

“Com muita alegria recebi o convite para integrar o quadro de acadêmicos da Alca e agora tomo posse. Em 2015, enquanto historiadora no Inatel, tive a oportunidade de trabalhar na pesquisa e curadoria da exposição em comemoração aos 30 anos da Academia. Foi uma oportunidade incrível de (re) conhecimento da história da fundação, membros fundadores e patronos. Para mim, é uma grande honra ter sido generosamente escolhida para suceder dois grandes santa-ritenses, Rodolfo Guerino Adami, patrono da cadeira de que tomo posse, e sua filha, a escritora e jornalista Jandyra Adami Neves de Carvalho, uma das fundadoras da então Academia Santarritense de Letras em 1985. Como acadêmica da Alca, me proponho a fazer o máximo possível pela memória e história da Academia e desta cidade. Como historiadora, fico muito feliz em me juntar a um grupo que tem em seus propósitos zelar pela memória e salvaguardar a produção artística da comunidade. Como mulher, afortunada em integrar o distinto grupo originado do Clube Feminino da Amizade e idealizado pela saudosa escritora e professora Edméa Sodré de Azevedo Carvalho. Sou uma mulher negra, a primeira eleita para a Alca desde a sua fundação, e desejo não ser a única. A representatividade é importante, porque não basta ser mulher e mulher negra, mas é necessário estar comprometida com as questões, e eu estou. Comprometida com as pautas femininas, com a questão racial, com a história e com a educação. Precisamos de representatividade e só mudamos isso ocupando os espaços e sendo protagonistas das nossas próprias histórias. Sou muito grata aos confrades e confreiras que me elegeram, em especial ao amigo e acadêmico Evandro Carvalho, responsável pela minha indicação. É muito especial contar com o reconhecimento da Alca, agradeço imensamente”.

Vacância

O quadro de membros efetivos da Alca estaria completo com a entrada de Patrícia, mas com o falecimento do acadêmico José Maria da Silva Souza ocorrido no último dia 13 de março abriu-se a vacância da cadeira n.o 14, cujo patrono é Francisco Ribeiro de Magalhães. Em nota, a Academia enalteceu o trabalho de José Maria no âmbito cultural fazendo das artes um vetor de inclusão na comunidade de Santa Rita do Sapucaí (MG) e se solidarizou com os familiares e amigos.

Texto e foto: Evandro Carvalho, acadêmico e jornalista

Esse post foi publicado em Geral. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s