Historiadora e professora Patrícia Vigilato é eleita para a Academia de Letras

A Alca – Academia de Letras, Ciências e Artes de Santa Rita do Sapucaí elegeu no último dia 29 de fevereiro o nome da historiadora e professora Patrícia Aparecida Vigilato. Ela vai ocupar a cadeira de número 16, cujo patrono é Rodolfo Guerino Adami. Durante sessão ordinária, realizada na Sala Professor José Nogueira Leite no Inatel – Instituto Nacional de Telecomunicações, o nome de Patrícia foi apresentado pelo acadêmico Evandro Carvalho da Silva, que também fez a leitura do currículo da historiadora.

O presidente da Alca – prof. José Antônio Justino Ribeiro ao lado da nova acadêmica Patrícia Vigilato.

Após vários apartes dos acadêmicos presentes à assembleia, Patrícia foi eleita por unanimidade. A sessão solene que dará posse à nova acadêmica ainda não tem data marcada. Com a entrada da historiadora no quadro de membros efetivos, a Alca tem agora todas as 40 cadeiras preenchidas. Patrícia entra no lugar da escritora e jornalista Jandyra Adami Neves de Carvalho, falecida em 2018.

Portas abertas
Patrícia Aparecida Vigilato nasceu em Santa Rita do Sapucaí (MG). Graduou-se em História no ano de 2012 pela Univás – Universidade do Vale do Sapucaí. Em 2014 se especializou em História da Arte: Teoria e Crítica pela FPA – Faculdade Paulista de Artes. Ela também tem especialização em História, Educação e Sociedade também pela Univás em 2018. Desde 2011 atua como historiadora e pesquisadora no Centro de Memória do Inatel. É também professora efetiva de história na Escola Estadual Sanico Telles. Patrícia participa efetivamente de grupos e coletivos em prol das culturas negra e feminista. Recentemente participou do Festivale – Festival do Livro do Vale da Eletrônica onde conduziu uma roda de conversa sobre Maria Idalina de Jesus – a “Maria Bonita”, líder negra de Santa Rita no Século XX.

Patrícia Vigilato aceitou o convite da Alca e diz que a Academia era quase uma “utopia” para ela. Ela também fala sobre a questão da representatividade enquanto mulher e negra e de sua admiração pelas letras. “Estou muito contente com o convite para integrar o quadro de acadêmicos da Alca. Feliz com o que atrevo chamar de representatividade. Pois, de certa forma, estou representando uma exceção enquanto mulher negra. Gosto das palavras, cresci cercada pela oralidade das histórias narradas pelos familiares e meus primeiros acessos aos livros foram na biblioteca pública da cidade, posso dizer que me tornei uma admiradora das letras. Estou muito emocionada, confesso que para mim a Alca sempre foi uma utopia.  Porém, penso que nenhuma porta nos é aberta somente por oferecimento. Todos os lugares em que estamos têm a ver com as nossas demandas, com o reconhecimento do nosso trabalho, é uma honra ser acolhida pela Alca”, diz a historiadora.

Boa orientação
O presidente da Alca, professor José Antônio Justino Ribeiro, diz que a Academia cumpre um de seus propósitos, que é o de congregar pessoas que pautam suas vidas pelo bem da comunidade. “Em reunião de 29 de fevereiro, a Academia de Letras, Ciências e Artes de Santa Rita do Sapucaí elegeu como integrante efetiva a Professora Patrícia Vigilato. A nova acadêmica sucederá a saudosa senhora Jandyra Adami na cadeira de número 16. O seu acolhimento cumpre, mais uma vez, o propósito de a Academia congregar pessoas que pautam suas vidas com o estímulo e a promoção  das letras, das ciências, das artes e da cultura, sempre pelo bem da comunidade”, comenta o presidente.

O acadêmico Evandro Carvalho entende que Patrícia terá um papel importante no futuro quanto à preservação dos registros e acervos da Alca. Ele também ressalta o fato de que a nova acadêmica é a primeira representante negra na Academia. “Conheço o trabalho da Patrícia há alguns anos. Ela participou ativamente da pesquisa que foi feita para a exposição em homenagem aos 30 anos da Academia em 2015; foi um trabalho primoroso. Além disso, desempenha um papel imprescindível no Centro de Memória do Inatel, seguramente a instituição que tem o maior acervo de documentos, livros, jornais, revistas, vídeos, etc, sobre a história da cidade. Não se pode esquecer também que ela será a primeira representante da cultura negra dentro da Alca desde a sua fundação. Para terminar, sua experiência enquanto pesquisadora será muito útil a médio prazo para a Academia no sentido de preservarmos nossos acervos e registros. Tenho certeza que ela nos dará uma boa orientação”, conclui o acadêmico. 

Demais proposições
A sessão ordinária do dia 29 também deliberou sobre a doação do acervo bibliográfico da Sra. Mariângela Telles Capistrano – apresentada pelo acadêmico Ronaldo de Azevedo Carvalho. O acadêmico Yago Euzébio de Paiva Junho propôs a realização de uma sessão solene em alusão ao centenário de morte do ex-presidente Delfim Moreira, que acontece em julho próximo. Ambas as proposições foram aprovadas.

Texto e foto: Evandro Carvalho, acadêmico e jornalista

Esse post foi publicado em Cidade. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para Historiadora e professora Patrícia Vigilato é eleita para a Academia de Letras

  1. Edran disse:

    Parabéns a você Patricia, me lembro quando entrei na faculdade (Univás) e você me disponibilizou um grande acervo de documentos e livros para que eu conseguisse me identificar com a História !! Sou grato a você por isso e é muito importante ver uma colega de profissão (Historiadora) com uma representatividade significativa na cidade !! Edran

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s