Líder do Solidariedade pede afastamento de Perrella após escândalo com helicóptero

Filho do senador Zezé Perrella pode ser suspenso da legenda durante investigação da PF

O deputado estadual Gustavo Perrella (SDD), dono do helicóptero apreendido com 445 kg de cocaína em uma fazenda no Espírito Santo, pode ser convocado a se explicar formalmente sobre o caso ao próprio partido, o recém-criado Solidariedade. O piloto da aeronave é funcionário de Perrella e, por sua indicação, trabalhava na Assembleia Legislativa de Minas Gerais.

O líder da legenda na Câmara Federal, Fernando Francischini, pede o afastamento de Perrella enquanto a Polícia Federal investiga a apreensão recorde de drogas.

— Fiz o pedido de afastamento à executiva do partido. Esperamos que a PF o isente de qualquer participação, mas o partido não pode ficar sangrando publicamente dessa maneira enquanto isso.

Fernando Francischini aponta contradições de Perrella ao negar que sabia do transporte.

— Ele primeiro diz que não tinha autorizado o voo. Quando a polícia o confronta com a mensagem do piloto, ele admite que sabia. Isso causa constrangimento. Não estamos pré-julgando ninguém, mas ele precisa apresentar sua defesa.

Em nota, o presidente do Solidariedade, Paulinho da Força, afirmou que não vai tomar decisões

“com base em reportagens”. Segundo a nota, “tendo em vista que o parlamentar mineiro figura unicamente como proprietário da aeronave e testemunha do episódio, não sendo sequer investigado, o partido aguardará a conclusão da investigação sob pena de promover julgamento sumário.”

Abadia e Beira Mar

Francischini, o líder do partido de Perrella na Câmara, ironicamente, é delegado da Polícia Federal com atuações em operações anti-drogas. Ele foi um dos policiais responsáveis pelas prisões do megatraficante colombiano Juan Carlos Abadia e Fernandinho Beira Mar.

Investigação na Assembleia

O piloto Rogério Antunes, funcionário da empresa de Gustavo, trabalhava na Assembleia Legislativa de Minas Gerais há um ano por indicação do próprio Perrella. Além disso, o helicóptero era abastecido com dinheiro público. Após o escãndalo, a Assembleia proibiu o uso de verba indenizatória para abastecimento de aeronaves e exonerou o piloto, que também foi demitido da empresa. A conduta do deputado vai ser investigada pela Comissão de Ética, que pode até perder o mandato.OFERECIMENTO-BLUE-BRAZIL-NOVO

Anúncios

Sobre Giácomo Costanti

Email: contato@valeindependente.com.br
Esse post foi publicado em Política. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s