Guarda Municipal apreende menor por direção perigosa

153-GUARDA-MUNICIPALEm Santa Rita do Sapucaí, a Guarda Municipal durante patrulhamento e ronda escolar no bairro Recanto das Margaridas quando recebeu a informação de populares que haveria uma motocicleta de cor preta praticando direção perigosa, empinando e em alta velocidade naquelas imediações.Foto0134

Foto0136Os guardas municipais iniciaram um rastreamento e conseguiram localizar a motocicleta Honda CG preta com placa HGY 1194 de Silvianópolis MG, sendo que seu condutor se recusou a informar seus dados pessoais aos guardas.

Foto0135Após uma vistoria na motocicleta constataram que seu chassi estaria raspado e o lacre da placa rompido, após consulta no sistema informatizado com o apoio do 20º BPM de Pouso Alegre, constatou se que placa HGY 1194 seria de uma Suzuki Yes e não de uma Honda.

Foto0130O condutor F.S.S., 15 anos, negou a princípio que a moto seria sua e que a mesma pertencia a outra pessoa, porém acabou confessando ser o “dono” da moto.

O menor e a motocicleta foram apreendidos e conduzido para a Delegacia de Polícia Civil, sendo que que F.S.S. negou a fornecer demais dados pessoais e familiares.oferecimento_rodel

Anúncios

Sobre Giácomo Costanti

Email: contato@valeindependente.com.br
Esse post foi publicado em Guarda Municipal. Bookmark o link permanente.

10 respostas para Guarda Municipal apreende menor por direção perigosa

  1. Antonio disse:

    Menos uma moto para encher a paciência. Só uma dica para quando a
    Polícia fizer uma blitz na praça da matriz. Fica de olho nos “boca aberta” que avisam os delinquentes sobre a fiscalização.

  2. João Cobra Lino disse:

    Que lerdo esse moleque: conseguiu ser pego pelo policiamento de Sta Rita!!!!! kkkkkkkkkkk

    Só sendo muito mané para ser pego pelo policiamento dessa cidade!!!!!

  3. Benê Ribeiro disse:

    É isto aí que estraga a querida terrinha Sta Rita. Quando comento que a cidade cresceu em quantidade e não em qualidade, eu me refiro a isto aí; pode levantar a ficha deste verme aí, se ele for santarritense, que acho pouco provável, tenho certeza que os pais não são, vieram de outro lugar sem preparo nenhum pra habitar em Sta Rita e dá nisso aí. É uma pena,,,,

    • Antonio disse:

      Como assim Benê? Significa que quem nasce em Sta. Rita é intrinsicamente detentor do cetro da lei e da ordem? Significa então que a desordem do trânsito é mérito de quem tem sangue não-santarritense? Na sua ótica, o problema da desorganização e das mazelas da sua “santa terrinha” é responsabilidade de quem “vem de fora”? É uma ideia um tanto quanto cômoda e extremamente discriminatória de puxar a culpa da cidade estar um caos para quem vem de outras cidades em busca de oportunidades no “Vale da Eletrônica”.

      • João Cobra Lino disse:

        Esse Benê Ribeiro merece o premio de comentário mais idiota do mês!!!!

        Os que estragavam a “sua terrinha” moram fora daqui, pode ficar sossegado! O perigo é resolverem voltar…. aí a coisa fica feia!

    • Pedro disse:

      Em partes, sua colocação está correta Sr. Benê. O núcleo de sua idéia, tem coerência, porém, a forma colocada foi mal sucedida. Acredito sim que aquele povo, original de Santa Rita, dos primórdios da cidade, seja um povo honesto e trabalhador, sem anseios por disparates de algazarra e anarquia. Com certeza isso foi influência de fora. Porém, não podemos falar que todos os ‘estrangeiros’ são compactuantes desses atos, muitos são estudantes do Inatel, outros da Fai e empresários atraídos pelo ‘Vale da Eletrônica’. A raiz do problema se encontra em nossos governantes, seja prefeito, vereadores e delegados… Nossa saúde está sucateada, visto que o único hospital municipal está precisando fazer campanhas de doação pra manter aberto. Nossa segurança é completamente inefetiva, pode-se conferir toda noite os nossos policiais gastando tempo nas lanchonetes da cidade (No Guinho’s eles já chegam e entram na cozinha de tão íntimos). A cidade está um lixo, quando há obras de melhoria os materiais são de péssima qualidade e degradam com poucos meses de uso…

      Minha opinião é bastante radical quanto a esses assuntos. Encurtem os problemas, passa fogo logo nesses desordeiros e pronto. Acabam os problemas. E direitos humanos o meu ovo! Esses são os futuros assassinos e estupradores a solta por aí!

      • Antonio disse:

        Pedro, a raiz do problema está na educação e ela está na UTI em qualquer cidade deste país, inclusive na “ilha de prosperidade” que muitos acham que é o município de Santa Rita do Sapucaí.

      • Pedro disse:

        Como medida a longo prazo eu concordo com você, Antônio. Mas para o curto e médio prazos, não vejo outra solução, senão a que citei.

      • Antonio disse:

        Eu acho o seguinte, Pedro. As leis devem ser mais rígidas e punir de fato quem comete irregularidades. Concomitantemente, as políticas de educação devem possuir um teor mais prático para que, de fato, o país se desenvolva (com qualidade e não quantidade) em todos os âmbitos.

  4. Rodolfo disse:

    O CTB relata em seu art. 5° “que o SNT é o conjunto de órgãos e entidades da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios que tem por finalidade o exercício das atividades de planejamento, administração, normatização, pesquisa, registro e licenciamento de veículos, formação, habilitação e reciclagem de condutores, educação, engenharia, operação do sistema viário, policiamento, fiscalização, julgamento de infrações e de recursos e aplicação de penalidades”.

    Os objetivos do SNT
    – Implantar uma política uniforme em todo território nacional, com regras comuns e gerais, para atender à segurança, fluidez, conforto e educação no trânsito.
    – Padronizar os critérios técnicos, financeiros e administrativos, fixando normas comuns em todos os Estados para a execução das atividades de trânsito.
    – Estabelecer canais de comunicação entre os diversos órgãos e entidades que compõem o SNT, gerando fluxos permanentes de informações para facilitar o processo decisório e a integração do Sistema.

    Como municipalizar o trânsito
    A municipalização do Trânsito envolve a estruturação administrativa, a preparação técnica e a adequação legal do município às normas do Contran e ao disposto no CTB.
    Para que os municípios passem a fazer parte efetiva do SNT, exercendo plenamente suas funções, é preciso criar os órgãos ou entidades executivos municipais de trânsito.
    Esta estrutura deve estar apta para executar as atividades de engenharia, educação para o trânsito, controle e análise de acidentes, operação e fiscalização de trânsito, e de apoio ao funcionamento da Junta Administrativa de Recursos de Infrações – JARI.

    A estrutura administrativa municipal
    Os Órgãos Executivos de Trânsito podem surgir da readequação de outros já existentes ou então serem criados novos órgãos por legislação específica.
    O município que tem dificuldade para implantar uma estrutura maior de início, pode criar uma seção, divisão ou departamento de trânsito dentro de uma secretaria ou departamento de transportes, de obras, planejamento ou outra atividade urbana.
    Na medida em que forem sendo percebidas as necessidades locais e criadas as condições políticas e econômicas estas estruturas podem ser ampliadas. Quando o município tiver condições de criar uma estrutura maior, poderá readequar as estruturas existentes da administração direta (secretaria, departamento, coordenadoria, divisão ou seção), ou criar uma estrutura na administração indireta (como uma autarquia ou empresa pública relacionada a transportes, obras, infraestrutura urbana, desenvolvimento urbano etc.).
    – See more at: http://www.transitoideal.com/pt/artigo/4/educador/42/municipalizacao-do-transito#sthash.dPwShf7Z.dpuf

    Responsabilidade da gestão municipal de trânsito
    Municipalizar é realizar a gestão do trânsito da cidade de forma completa, assumindo integralmente a responsabilidade pela engenharia, fiscalização e educação de trânsito, levantamento, análise e controle de dados estatísticos e pela criação de JARIs.
    – See more at: http://www.transitoideal.com/pt/artigo/4/educador/42/municipalizacao-do-transito#sthash.dPwShf7Z.dpuf

    FISCALIZAÇÃO
    – Exercício do poder de polícia administrativa de trânsito, aplicando as penalidades cabíveis e arrecadando as multas que aplicar dentro da competência legalmente estabelecida e no âmbito da circunscrição do município, através dos meios eletrônicos e não eletrônicos;
    – Autuação, processamento de multas, seleção, capacitação, treinamento, designação e credenciamento de agentes de fiscalização.

    EDUCAÇÃO DE TRÂNSITO
    – Criação obrigatória de área de educação de trânsito e da escola pública de trânsito conforme resolução do Contran;
    – Ações de segurança de trânsito, trabalhando os comportamentos;
    – Introdução do tema trânsito seguro nas ações rotineiras das pessoas de todas as faixas etárias, através de linguagem específica.

    LEVANTAMENTO, ANÁLISE E CONTROLE DE DADOS ESTATÍSTICOS
    – Acidentes, com vítima, mortos em acidentes, volume de veículos por tipo, volume de pedestres etc.

    JUNTAS ADMINISTRATIVAS DE RECURSOS DE INFRAÇÕES – JARIS
    – Criação de JARIs, nomeação de seus membros, aprovação do regimento interno, suporte técnico e administrativo. – See more at: http://www.transitoideal.com/pt/artigo/4/educador/42/municipalizacao-do-transito#sthash.dPwShf7Z.dpuf

    Resumindo a Guarda Municipal pode fazer a fiscalização de trânsito.

Deixe uma resposta para Benê Ribeiro Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s