Médico cobra providências por parte do setor público sobre a situação financeira do hospital Antonio Moreira da Costa

A crise financeira do Hospital Antônio Moreira da Costa preocupa profissionais da área médica de Santa Rita do Sapucaí, entre eles, o médico Eduardo Adami que faz parte do corpo clínico do hospital filantrópico e trabalhou no local diariamente por 26 anos.
A falta de recursos para gerir o hospital é antiga segundo o médico. “Vem desde 1994.” A crise financeira se agravou nesse ano o que colocou em dúvida a manutenção dos serviços.
O hospital Antônio Moreira da Costa atende uma população superior a 130 mil pessoas e 90% dos procedimentos são feitos por meio do SUS. Além disso, a Fundação Mantenedora do Hospital administra o Pronto Atendimento Municipal (PAM) por meio de um contrato com a prefeitura.
Para Eduardo Adami, a crise do hospital diz respeito ao poder público e cobra posicionamento. “A prefeitura vai ter que assumir primeiro porque se fechar o hospital ela –prefeitura- vai ter gastar com o passivo trabalhista…teria que fazer um convênio com o hospital, ou hospital de Pouso Alegre ou qualquer outro para mandar as pessoas internadas e qual seria esse custo? … Além disso, precisaria de mais ambulâncias para transportar esses pacientes.” 
Ele complementa ainda dizendo que o município possuiu uma “secretária de saúde, corpo médico, enfermagem, departamento, jurídico, financeiro e RH” e questiona “o porquê a prefeitura não assume o PM e libera o Hospital? ”. 
A prefeitura de Santa Rita do Sapucaí repassa pelo serviço de administração do PAM R$ 170 mil por mês à fundação mantenedora. Para Adami, esse valor “é pouco” e cobriria a folha de pagamento dos 100 funcionários se cada um recebesse pouco mais do que um salário mínimo. Outra fonte de arrecadação do hospital é por meio do SUS, porém o valor pago não cobra os gastos. Por exemplo, para o tratamento de uma pneumonia “é pago de R$ 78 a R$ 80 para o tratamento. O protocolo é que a pneumonia seja tratada em três ou quatro dias de internação. Se houver complicação com mais raio X e remédios são os mesmos R$ 80”. 
O médico detalha que o custo de manutenção do hospital é alto devido à complexidade do trabalho e cita as especificidades de setores como limpeza, manutenção, laboratório e cozinha que funcionam de forma permanente. Ele também critica manifestações contrárias à fundação mantenedora do hospital, que é gerida pelos voluntários Fernando Mota, Sidney Severini, Ialdo correa, Rogério Abranches e José Humberto.

“Tenho visto nas redes sociais pessoas mal intencionadas e pessoas que por desconhecimento falam que há desvio de dinheiro e que esse grupo não administra bem. Agora, administrar sem dinheiro e apoio fica muito difícil. Eles não são mágicos”, enfatiza o médico. 

FONTE: Difusora AM 1550 – Jornal Notícias do Diacropped-hamc04.jpg

Sobre Giácomo Costanti

Email: contato@valeindependente.com.br
Esse post foi publicado em Cidade. Bookmark o link permanente.

2 respostas para Médico cobra providências por parte do setor público sobre a situação financeira do hospital Antonio Moreira da Costa

  1. Bené Barbosa disse:

    Bom dia,

    Respeito sua opinião mais o péssimo estado financeiro que o hospital se encontra é por má administração no hospital, faz tempo que isso ai virou a casa de noca!!!!má gestão, o atendimento quando minha mulher teve filho foi ótimo, adorei os funcionários, mais também foi particular tem esse lado, mais a administração e fraca!!!!abraços.

  2. Eduardo Adami disse:

    Bené, Bom dia! Como não mais atendo no Hospital, mas pertenço ao Corpo Cínico, participei de uma reunião da Fundação, mostrando aonde está o ralo que leva o dinheiro. Primeiro , arrecadação insuficiente ( 90% SUS – e veja o comentário que fiz sobre Closas no SUS), Prejuízo causado pelo PAM ( Difícil solução – agora irá ser devolvido pela Fundação), gastos com manutenção predial, material, compra de medicações, impostos trabalhistas, Salários dos funcionários ( o mais justo possível, veja e saiba quanto ganha um enfermeiro, mas nã se assuste). Com as planilhas verifiquei o alto custo do Hospital. Tendo um tempo passe no Hospital e peça a Fundação para lhe mostrar os custos. Também não conhecia de forma precisa.Na verdade não adianta colocar as planilhas em sua totalidade em jornais e sites, pois a maioria não lê e não quer se inteirar da situação. Infelizmente não é justo eu, você e todos os cidadãos arcarmos com esta situação, pois na Constituição esta : Saúde, direito de todos, dever do estado.Mas funciona? Que bom se pudéssemos levar a constituição e apresenta-la na hora e a mesma tivesse poder ….. Não podemos abandonar a Instituição que está capenga, Em 1996, o Hospital estava em crise, tive a idéia de fazer um livro sobre a História da Medicina em Santa Rita, eu com vários empresários como o Bodon do Bamerindus, diretor da Sense, Leucotron, Linear e outros patrocinamos o livro ( na época muito caro para imprimi-lo) e conseguimos arrecadar o equivalente a R$ 10.000,00 (1996) com isso foi comprado material cirugico, computadores para a administração, material de dissecção de veia para crianças, e outros materiais. Eu, omo pessoa doei neste período um geladeira especial para conservação de material, um eletrocadiograma e um monitor cardíaco semi novo que usava em meu consultório.
    Fui Diretor Clínico por 2 mandatos ( Sem remuneração, somente trabalho e pressão) situação exigida pelo Conselho Federal de Medicina, pois todo Hospital é obrigado a te um Diretor Clínico e um Diretor Técnico. tendi pelo SUS durante mais de 24 anos, teve época dos profissionais receberem após 3 meses do trabalho prestado, fora as closas, atendimento não remunerado pois ultrapassava a cota do Hospital. Mas qual a culpa do Paciente? Conheça via internet a Tabela do SUS, infelizmente é a mesma de 10 anos atrás. Para o SUS não existe inflação.
    Tento comprar a causa pois não é justo ver uma instituição que prestou tanto serviço a população fechar. E as Grávidas, Crianças, Velhos, para onde irão? Sus Fácil ? Veja na inetrnet como funciona. Como você sabe, a tempos somente trabalho em meu consultório e não dependo do Hospital como profissional, mas não é por isso que estou deixando de lutar, pedir, discutir, criar inimizades e ser chato com este mesmo assunto. Já pensou se resolvesse ficar na minha. Já pensou se partisse do principio que tenho um excelente plano de saúde, dois filho médicos, amigos médicos, poderei ser atendido no Hospital novo e para que me preocupar?
    Onde ficaria minha ética pessoal? Minha consciência. Cidadania? Moro, vivo e pretendo continuar a viver em Sta Rita. Ouço horrores no consultório sobre falta de atendimento, tentativa de atendimento em outras cidades. Muitos tem plano de saúde mais se usarem para internação e outros procedimentos caros não tem como arcar com as despesas. Somente que vive o dia a dia tenta entender a situação.
    Mas agora vai melhorar, sei que pessoa como você irá arregaçar as mangas e ajudar também. Precisamos de gente nova e com vontade como você para nos ajudar e ajudar a compreender porque funciona dessa forma. Com o PAM assumido pela prefeitura irá diminuir o prejuízop, haverá mairo participação da mesma, irá compreender e vivenciar a complexidade do sistema. Bom para todo mundo.
    Bené, um bom domingo para você e sua família.
    Eduardo Adami – Médico – Ex Secretário de Saúde de Sta Rita, Ex por dois mandatos Dirteor Clínico do Hospital, Médico atuante)

Deixe uma resposta para Eduardo Adami Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s