MÁSCARA ELEITORAL: FICHA LIMPA x VOTO LIMPO

Foram registradas e apresentadas no Congresso Nacional mais de um milhão de assinaturas requerendo a implantação do processo da Ficha Limpa. Nós, o povo, manifestamos e lutamos por eleições limpas, exigindo qualidade e transparência dos candidatos para participar dos pleitos eleitorais, mas, para a nossa surpresa, o Tribunal Superior Eleitoral parece que decidiu transferir a responsabilidade do candidato Ficha Limpa para o eleitor propondo o Voto Limpo. Parece-me que houve ai uma inversão de valores ou então para que buscar num abaixo assinado com mais de um milhão de assinaturas para implantação de uma lei específica para impedir a participação de candidatos com a ficha suja, se tudo se resolve com o voto? O meu voto, o seu voto, com o nosso voto.

Eu só não consigo entender que só agora, dentro de um período eleitoral, no meio da propaganda eleitoral alguém resolve identificar o meu voto como arma para barrar o candidato “ficha suja” se não é comigo que ele se inscreve para participar do pleito. De repente alguém se acha no direito de identificar o meu caráter instruindo-me sobre o “Voto Limpo” como se o meu voto é que identifica quem é sujo ou quem é limpo e não o candidato que passou pela sabatina e foi inscrito pelo TRE.

Gostaria muito que a justiça eleitoral se apegasse realmente naquilo que com certeza interfere na decisão daqueles menos afortunados, que são levados a votar em um ou outro candidato como forma de “agradecimento” por um “benefício” recebido ou por propostas de implantação de “benefício” durante a campanha eleitoral. Note bem, não sou contra o elenco de propostas para melhorar a vida do cidadão ou cidadã e sim, pela tentativa indireta (via psicológica) de se comprar o voto. Há candidatos falando de valores ou quanto vai custar o benefício, apresentando para o eleitor as vantagens financeiras e não da solução dos problemas que a população enfrenta no dia a dia e isto está sendo colocado durante o programa eleitoral.

Por outro lado, apresentam proibições aos dirigentes sindicais de fazerem campanha para este ou aquele candidato durante o período de trabalho, determinando até a hora ou momento que estará liberado, alegando uso da máquina sindical. E a máquina do estado? Estamos assistindo nos programas (imprensa falada ou escrita), nos cartazes, enfim em todos os veículos de comunicação. Até na parede da sua casa decidiram onde o eleitor pode ou não colocar um cartaz, e definiram até o seu tamanho. Não se podemos usar bonés e camisetas durante o expediente de trabalho, etc. Estão tentando transformar um processo eleitoral que deveria ser democrático numa anarquia. Alguém esqueceu ou nunca ouviu falar da frase que diz que: “todo poder emana de um povo e em seu nome é exercido”. Sinto-me como se a minha casa, meu par de sapatos, o meu carro pertencessem a um governo e que este governo está pretendendo dirigir minha vida. Será que isso tem a ver com Cuba? Seria interessante que esta suposta relação com Cuba se prendesse a questão da educação e da saúde porque, se temos educação e saúde o resto a gente busca sem precisar de esmolas, o povo brasileiro não precisa disso. A compra do voto está ai, clara, na nossa cara, prá todo mundo ver e realmente, o pior cego é aquele que não quer ver e não há nada de novo no frente. Os políticos estão agindo como se estivessem numa luta de box,  ainda bem que o mediador é o povo e eu acredito que não vai ter marmeladas. 

 

Esse post foi publicado em Informativo da Prefeitura Municipal. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s