Já que perguntar não ofende – E agora José cortaremos todas as árvores das margens do Rio Sapucaí na região urbana?

Giácomo

 O retorno das “GARÇAS”.

 Como vocês podem ver nas fotos, o inverno nem chegou e as garças estão de volta a nossa Beira Rio.

A natureza é implacável!

 E agora José, cortaremos todas as árvores das margens do Rio Sapucaí na região urbana?

 Abraço

 Mauro Vital

Esse post foi publicado em Já que perguntar não ofende, Meio Ambiente. Bookmark o link permanente.

32 respostas para Já que perguntar não ofende – E agora José cortaremos todas as árvores das margens do Rio Sapucaí na região urbana?

  1. Edmilson disse:

    Mauro,
    Se cortarem essas arvores, estaremos entrando no cumulo do absurdo em Santa Rita.
    Porem eu acho o seguinte:
    Sabemos-nos que essas Garças sempre foram um problema ali naquele lugar.
    Mesmo sabendo que a natureza não tem culpa, devemos nos lembrar dos problemas que elas trazem.
    Primeiro pelo mal cheiro e pelas fezes, que são transmissoras de doenças.
    Segundo pelos habitantes daquela região e até mesmo pelo restaurante. Querendo ou não o restaurante acaba sendo uma fonte de renda para aquela família, e mais, funcionários dependem do movimento do restaurante, sem serviço, sem dinheiro…sem dinheiro…demissão.

    Se você fosse morador daquela região, como você agiria? Já que nos, humanos, invadimos sempre as áreas da natureza, você mudaria de casa?
    Se você morasse ali e um filho (a) seu ficasse doente em conseqüência de fezes das aves, o que você faria? Iria atrás de um órgão responsável creio eu.
    Você iria conseguir freqüentar o restaurante mesmo sabendo do mau cheiro que esta aquele lugar?
    Sempre tem problemas, sempre vai ter.
    Opiniões servem para serem debatidas, e eu acho que alguma coisa deveria ser feita para que elas fossem para outro lugar, menos a ‘poda’ das arvores claro.
    Cabe as autoridades começarem a debater esse assunto antes mesmo que o numero das aves se multipliquem.
    Sem matar muito menos cortar arvores pelo amor de Deus..
    MAIS AUTORIDADES, POR FAVOR, JA COMECEM A PENSAR EM ALGO.
    Só mais uma coisa, o Sr. Mauro foi que levantou este debate, quando eu refiro ao “VOCÊ” em minha opinião, não quero me direcionar no Sr Mauro, mais pra todos que possam debater esse assunto.
    Não sou morador do bairro e muito menos freguês do restaurante. Apenas estou dando minha opinião.

    Edmilson

    • Giácomo Costanti disse:

      Muito bem falado Edmilson! Apesar de ser um espetáculo bonito da natureza é uma grande PORTA de transmissão de doenças!!Fora o transtorno que trás aos moradores próximos.

    • Mauro Vital disse:

      Edmilson.

      O assunto é crítico e vale debate.
      Eu simplesmente passei lá e vi as garças, então enviei as fotos, já pensando que sempre vai arrebentar do lado mais fraco ” natureza “.
      Sempre pensamos em nós seres humanos como sendo prioritários na Terra, mas nos esquecemos que não vamos muito longe sem a natureza.
      A exemplo acontecimentos, enchentes, desbarrancamentos, maremotos, etc…., fomos sempre nós seres humanos que invadimos os espaço reservado pelo criador para que a natureza sobreviva e nos devolva em forma de vida o que nós plantamos.
      Todos os moradores de margens de rios tem que respeitar pelo menos no minimo 50 m da margem, isso não ocorreu em Santa Rita e também em outras cidades. Então não são as garças que estão no lugar errado e sim nós seres humanos.
      Se for tomada alguma atitude como cortes das arvores ciliares, o problema vai retornar, a exemplo do que está ai, não podemos esquecer também que as garças tem alguma função na cadeia alimentar, então acabar com elas vai provocar o tão chamado desequilíbrio da natureza.
      Com respeito à me mudar do lugar se eu morasse no local:
      Sei que os transtornos são muitos, mal cheiro, doenças…Só tem 02 opções:

      01 – Assumiria o risco e me manteria na minha residencia ou comércio com algum prejuízo na época que elas ficam por lá.

      02 – Mudaria para outra região na cidade

      Não tem outra solução.

      Agradeço pelo comentário

      Abraço

      Mauro Vital

      • Giácomo Costanti disse:

        Realmente Mauro, ali pela natureza é a casa delas. Certamente cortar as árvores não seria a solução, porque elas iriam arranjar outra maneira de se habitar por ali, como exemplo as próprias árvores da Pça Santa Rita. Creio que a solução será os moradores se adaptarem à presença das graças por ali.

  2. joao carlos disse:

    Lembrando que aquele caso foi cortado os bambuzeiros que o próprio dono do restaurante plantou , o mau cheiro la era muito forte e são. Era uma vergonha levar representante e empresários que vinham em nossa cidade em um lugar desses. Quando o problema não esta atingindo diretamente nosso lar ,ponto comercial ou vizinhança fica muito fácil de criticar..

  3. Takehara disse:

    Eis a dificuldade em resolver problemas causados pela falta de planejamento urbano.
    No município de Piracicaba existia um restaurante muito tradicional e famoso, muito lindo, cuja construção era como que debruçado sobre as margens das corredeiras do rio. Como o local foi declarado área de preservação permanente, o empreendimento teve que mudar-se e o prédio está abandonado. O restaurante continua funcionando em outro locao, agora no outro lado da rua que mageia o rio.
    Parece que o caso aqui diz respeito à incomodidade e não à invasão de APP. Talvez o restaurante tenha que fazer algumas mudanças no projeto de ventilação para garantir um ambiente confortável no período crítico, uma solução que além de garantir o atendimento continuado, trará dividendos de responsabilidade sócio-ambiental ao empreendimento.

  4. R.D .S disse:

    nos tabem agride a natursa ocupamos espaÇo deles jogando lixo nos rios ai ele não tem para onde ir vem ate nos não atianta cortar arvores nen bombusal eles vai tar entre nos na minha opinião e apenas a naturesa cotra nos que não repitamos ela voces acho que eles tambem recramam do esgoto nos jogamos no rio que a fonte alimetação deles esta e mihna opiniã

  5. Mauro Vital disse:

    Giácomo

    Parece que não vai incomodar tanto , já que elas estão num local onde é a parte traseira de um barracão.
    Devemos lembrar que da ultima vez foram cortados bambus, que nascem rapidamente e acredito ainda não ser protegidos como mata ciliar, já as arvores que elas estão agora e outra história.

    João.

    Não estamos criticando e sim tentando dar solução ao problema, dê a sua opinião.

    abraço

    Mauro Vital

    • Morador disse:

      Não é só um barracão, é uma academia. Imagina malhar com o cheiro do cocô das garças impregnado ali?

  6. Edmilson disse:

    Otimos comentarios Giacomo e Mauro…
    Mais acho o seguinte, já que não podemos nem matar e nem ”podar”, deveriam então tentar, como foi feito da ultima vez, espantar elas pra um outra lado, como por exemplo ate mesmo antes da ponte, pra parte de cima do clube ou na outra ponte, porm mais pra baixo e na mesma margem.
    Como comentei, nos invadimos sempre o espaço da natureza, porem acho que, na minha opiniao, não devemos dar brechas para que ocorra algo mais serio, como a infecção de algum ser humano, isso pode levar ate a morte.
    Cade as autoridades numa hora dessas??
    Se espantar e elas arrumarem um outro habitar, sem que esse seja prejudicial a alguem

  7. Márcia disse:

    Nesse verão tentei andar a pé para dar uma ajuda para a natureza (não poluindo o ar e para minha saúde também pois caminhar é muito bom para quem quer estar em forma).
    Mas foi difícil porque o calor e o sol estava de rachar pois na rua que eu tinha que passar (RUA
    Do Country Clube) não tem nenhuma árvore para fazer uma sombra.
    De todas as cidades que morei ,essa é a menos arborizada.

  8. Luiz disse:

    Pimenta nos zoio do outro e refresco, HI HI Hi !!!

  9. Lúcio Costa disse:

    É uma questão que tem de resolver da melhor forma possível, cortar as árvores não é melhor solução, mas o imóvel também ser prejudicado não pode!! Temos que achar uma solução para ambas as partes…com certeza iremos encontrar!

  10. Cristina disse:

    nossa a avenida beira rio está famosa não pode ter barraca de festas e agora implica com as garças !!!!! tá fodaaaaa

  11. Érica Pereira disse:

    Primeiramente garça é uma espécie exótica, vieram da África, e como a maioria das espécies invasoras se tornaram verdadeiras pragas aqui e em outros locais, podem estar prejudicando e até expulsando outras aves nativas das margens do sapucaí e TALVEZ por isso devam ser eliminadas . É necessário uma visão mais técnica deste caso, saber se a eliminação desta população não irá favorecer nenhuma outra superpopulação, um levantamento da fauna nas margens urbanas seria um primeiro passo daí então poderíamos montar um estratégia de controle.

  12. Florisvaldo Silva disse:

    Sou morador em uma das margens do Sapucaí. Trabalhei duro e gastei dinheiro para recompor a parte que me cabia da mata ciliar, destruída pela ocupação antrópica mal administrada no decorrer de quase um século. Eu conheço o José, homem íntegro, trabalhador, benfeitor desta cidade e grande ativista ambiental. O tal restaurante é uma referência para os cidadãos santaritenses e para a maioria dos empresários que visitam nossa cidade com regularidade. Passo por aquela ponte várias vezes por dia e muito me aborreci quando existiam ninhais no bambuzal. Era grande a possibilidade de nos contaminarmos com salmonelas dispersas no ar. A retirada foi planejada e não houve perdas de aves na ocasião. Por que não planejarmos uma maneira ecológica de afugentar as aves para fazer a nidação em um ponto mais acima no curso do Rio? Pelo que venho acompanhando, não fará diferença significativa para o bando de aves. De qualquer maneira, é bastante válida a preocupação dos leitores do Blog.

    • Giácomo Costanti disse:

      Excelente comentário Florisvaldo e apoiamos exatamente isso, que de maneira saudável as afugente do local, há outras áreas mais abaixo nas margens do Sapucaí onde eles poderiam viver tranquilamente e deixar assim os moradores da região viverem também em paz, com segurança e livre de vetores de doenças.

      • Florisvaldo Silva disse:

        Obrigado Giácomo, por propiciar discusões sadias acerca das questões de nossa cidade. Se a população não criar um revés para todas as mazelas que vêm nos acometendo, Santa Rita poderá deixar de ser um lugar ideal para se viver. Abraço!

    • Mauro Vital disse:

      Florisvaldo

      Não estamos denegrindo a imagem de ninguém e nem de nenhum comércio, estamos discutindo a melhor forma de não haver mais este tipo de problema.
      Parece que a retirada das aves não foi tão bem planejada como você afirma, pois só se mudaram de lugar.
      Estamos tentando conseguir o maior numero de alternativas, para que na nossa humilde falta de conhecimento no assunto, consigamos amenizar tais distúrbios ambientais.

      abraço

      Mauro Vital

      • Florisvaldo Silva disse:

        Bem, já que não há propósito de atingir a pessoa física ou jurídica de ninguém, nem favorecê-las, por que não juntarmos todos nós interessados no bem estar das aves e também da população, e irmos até lá pessoalmente discutir sobre o problema? Se não formos capazes de encontramos a forma mais ecológica de manejo, temos como pedir apoio ao Ibama. Outra informação relevante para os leitores é que, a mais de 15 anos venho observando o movimento destas aves. Todas as manhãs elas voam Rio acima para se alimentar em direção a Olegário Maciel e voltam ao final para o ninhal, poucos quilometros abaixo de Pouso Alegre. Nos últimos dias, as aves estão fazendo o sentido inverso e estão criando outros ninhais mais próximos de Olegário. Resta pesquisar o motivo da mudança de comportamento. Talvez esteja aí a resposta para voltarem a nidar em Santa Rita.
        Outro abraço, Mauro!

  13. Paula Barros disse:

    Tem que preservar a natureza ,mas no caso dessas garças já está virando praga e tudo que é de mais na natureza causa Desequilíbrio Ecológico.

  14. Realista disse:

    Bom na minha opinião não foram as aves que invadiram e sim o ser humano que está num espaço que deveria ser delas,lembrando que este local ´é área de APP( Àrea de Preservação Permanente, Margem do rio e viveiros de pássaros e não concordo que o problema maior é dos comerciantes que ali se instalaram não, é de todo o povo de Santa Rita porque se começarem a cortar árvores das margens do rio irá complicar ainda mais o problema com as enchentes atingido toda a população direta ou indiretamente causando destruição e doenças,e também financeiros.

  15. BRUNO disse:

    Como já foi dito, ocupamos os espaços dos animais..Agora não tem o que fazer. Paciência e respeito a natureza..sobre a academia, eu malho la, e não atrapalha em NADA.

    • Amiga da natureza disse:

      Pobres garças! Novamente o assunto volta a ser discutido: o que fazer com elas??? Já pensaram o que fazer com esses CHATOS que estão importunando as pobres coitadas?
      Quanto a Av. Beira Rio, está um lixo só, com buracos na calçada, canteiros mau cuidados, luminárias danificadas, rio sujo e mau cheiroso, etc, etc, etc… uma tristeza! A beleza do local é o espetáculo das garças se aninhando ao final do dia, nas poucas árvores existentes…

    • Morador disse:

      É porque não começou a feder ainda, espertinho. Espera mais umas duas semanas, com esse bando cagando lá o dia inteiro. Na primeira chuva ninguém vai aguentar.

  16. Michele disse:

    Coitada das garças ! Lá é a casa delas gente .
    As pessoas são muito frescas isso sim , se tem cocô e mal cheiro tampem o nariz qdo passar por la!

  17. Takehara disse:

    Num final de ano um vendedor de fogos disse-me que o restaurante parou de fazer sua bela queima de fogos no ano novo porque estavam impedidos de fazer coisas que incomodassem as aves. Se esta informação procede, não é possível expulsá-las do local que escolheram.
    Às vezes pensamos que certas coisas são simples de resolver mas as leis, especialmente as ambientais, são muito rígidas e causam grandes problemas a quem as desrespeita.
    Sabemos que o rigor da proteção à fauna está causando a proliferação descontrolada de algumas espécies por causa do desequilíbrio entre presas/predadores, um exemplo são as capivaras, roedores de prole grande que logo estarão povoando em número exagerado as margens do nosso rio. A febre maculosa, causada pelo carrapato estrela é um dos riscos conhecidos da presença de capivaras em áreas urbanas..
    Nota-se então o quão delicada é a questão e os desafios que estão a caminho. Evidentemente não poderemos reintroduzir onças nos jardins de nossas casas e há muito o que discutir e estudar.

  18. Paula Barros disse:

    Sobre a proteção à fauna,concordo que tem muito o que ser estudado mesmo !
    Acho que o ser humano deveria reproduzir menos pois tem gente de mais nesse planeta e isso sim ,seria uma grande ajuda para a natureza porque iria ter menos humanos poluindo o planeta e ocupando espaço.
    Aproveitando que o SR.TAKEHARA tocou no assunto de queima de fogos, para falar que sou contra essa tipo de comemoração pois assusta os animais e já perdi um cachorro que morreu de susto por causa desses fogos de fim de ano .
    Acho que os nossos administradores deveriam tentar negociar uma alternativa de afugentar essas garças de lá e naturalmente elas irão procurar outro local para viverem.

  19. Realista disse:

    Pois é Takehara,não tem como reintroduzir onças nos jardins,porém deve existir outras formas de resolver o problema sem destruir ainda mais a fauna e a flora respeitando as leis,pelo contrário o problema não são as leis que são rigorosas e sim o descumprimentos delas, por exemplo.: Cada vez que uma árvore é derrubada todo o sistema natural é alterado não são apenas as garças que ali se abrigam,muitas outras espécies de animais e insetos também dela depende para manter um ciclo,mais ou menos o que ocorreu com as capivaras,ira ocorrer de novo com outro tipo de animal ou inseto fora o dano talvez irreversível ao rio causando erosão e consequentemente o assoreamento .Por isso também precisamos de nosso Plano Diretor.

    • Takehara disse:

      Tem razão, Realista.

      O que se opuseram ao Plano Diretor foram justamente os interessados em desapropiar a natureza, despejando seus moradores bichos e moradores plantas para sabe-se lá onde.

      Quem não percebeu o estranho silêncio (covarde silêncio) de certos segmentos da sociedade em meio a tamanha celeuma que o Plano Diretor causou, não parece incrível que certos sindicatos e associações não defenderam e também não acusaram o Plano Diretor? Por que será né?

      Será que só as garças tiveram coragem de tomar posição, dando o recado de que se não respeitarmos o que é da natureza nossos negócios irão por água (suja) abaixo?

      Nota mil para as garças, nota zero para os avestruzes (com todo respeito aos avestruzes empenados).

  20. Mauro Vital disse:

    Li uma matéria, que numa cidade margeada por um Rio que tiveram o mesmo problema, com mata ciliar próxima a cidade, contudo as garças faziam seus ninhos nas margens próximo as moradias.
    A situação foi resolvida com a adaptação nas arvores do ninhal de um regador de plantas (tipo Aspersor) que era ligado por 10 minutos próximo da hora de chegada das garças na parte da tarde por aproximadamente uns 05 dias toda tarde..
    Com os galhos das arvores molhados as garças se mudaram para um local próximo dali, onde não havia moradia.
    Acho que vale à pena tentar, quem sabe elas não se fixam nas margens do Rio Sapucaí lá para as bandas do Country Club.
    Acho que está bem próximo do correto.

    Abraços

    Mauro Vital

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s