Covid-19: Corrida para a primeira vacina chegar ao mercado ganha força

Raríssimas questões são tão unânimes na medicina epidemiológica: a vacina é a arma mais potente contra uma pandemia. Trata-se do único remédio capaz de brecar novas infecções. Desenvolvida em 2009, a vacina contra o H1N1, por exemplo, foi determinante para que a Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciasse o fim da pandemia provocada pelo vírus no ano seguinte.

Das 118 fórmulas contra a Covid-19 registradas atualmente pela OMS, oito já estão sendo testadas em seres humanos. Entre elas, há três com tração suficiente para chegar à reta final ainda neste ano, em louvável ineditismo. Até hoje, o tempo recorde tinha sido com o sarampo — o tratamento foi aprovado em 1963, dez anos depois de o vírus ter sido identificado.

No que se refere ao prazo de início dos estudos, a data é ainda mais espantosa. Passaram-se apenas três meses desde a identificação do novo coronavírus, na China, e as primeiras pesquisas.

Um passo fundamental foi dado. Na segunda-feira(18), a empresa americana de biotecnologia Moderna revelou um sucesso: as oito primeiras pessoas imunizadas com duas doses do fármaco estavam protegidas. “Esses dados, embora iniciais, demonstram que a vacinação provoca uma resposta imunológica ao vírus semelhante à produção de anticorpos que ocorre no sangue de pacientes já recuperados da doença”, disse Tal Zaks, diretor médico da Moderna.

O estudo faz parte da chamada fase 1, ainda restrito, afeito a avaliar a segurança da vacina. O grupo de voluntários saudáveis que recebeu a imunização desde março não apresentou efeitos colaterais graves. Serão necessários testes de maior abrangência para comprovar a eficácia em larga escala.

Os testes em humanos, é claro, brotam depois de vasto trabalho com animais. Em ratos, verificou-se que a vacina, ancorada no material genético do Sars-CoV-2, consegue impedir a replicação do vírus nos pulmões. As boas notícias aceleram os trabalhos. A Moderna prevê para julho o início de uma etapa de avaliação com milhares de voluntários. O laboratório Pfizer e a BioNTech desenvolvem um produto com potencial para ser lançado em setembro. A Universidade de Oxford, na Inglaterra, concluirá os testes de seu medicamento em um grupo grande de pessoas em três meses.

A agilidade é atribuída à urgência, é óbvio, bem como à experiência dos pesquisadores com o desenvolvimento das vacinas para Sars e Mers, também da espécie coronavírus, durante suas respectivas epidemias, em 2003 e 2012 — elas nunca chegaram ao mercado porque, quando ficaram prontas, depois de longa jornada de investigação, os surtos já haviam sido contidos e os investimentos foram suspensos.

No Brasil, há dois estudos em andamento. O do Laboratório de Imunologia do Instituto do Coração (Incor), que começou os testes em camundongos, a caminho de ser aplicado em humanos, e o da Fiocruz Minas.

Considerada a bala de prata contra o coronavírus, a movimentação científica em torno da vacina mexe com os mercados financeiros, em evidente reflexo dos humores da sociedade, especialmente agora, com o mundo paralisado. As ações da Moderna subiram 20%, em média, nas bolsas americanas, com a animadora notícia.

O nó, ainda longe de ser desfeito: a vacina, quando aprovada pelas autoridades sanitárias, será distribuída com a patente quebrada ou será controlada pelo fabricante? Não se sabe, mas estima-se que possa ser distribuída rápida e globalmente, a valores de custo. Há, portanto, uma boa e ampla avenida para seguir.

Veja

Esse post foi publicado em Saúde. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s